Canibalismo costumava ser uma forma bizarra de Medicina antigamente

O canibalismo é conhecido por não ser uma coisa muito boa … no entanto, nem sempre foi assim.

Durante anos, os europeus participaram de canibalismo, até o final do século 18, para ser mais preciso. Eles não eram canibais como pensamos deles hoje, comendo ativamente a carne de pessoas vivas ou = recém-falecidos. Em vez disso, eles usavam partes dos mortos para criar remédios.

Durante os séculos 16 e 17, a ciência médica era bastante primitiva. O pensamento predominante sobre curas para várias doenças era “arcaica”. Por exemplo, pedaços de crânio para curar uma dor de cabeça e assim por diante …

Múmia

Especificamente, os europeus na época misturavam pedaços de antigas múmias egípcias em remédios que supostamente serviam para curar tudo, desde uma simples dor de cabeça a condições mais graves, como convulsões.

Múmia Egípcia

Notoriamente, o Rei Carlos II da Inglaterra era conhecido por sua auto cura, conhecida como: “Gotas do Rei.” Este medicamento continha até pedaços de crânio humano misturado com álcool.

crânios

Alguns médicos na época também acreditavam que beber sangue faria uma pessoa saudável. Aparentemente, o pensamento era quanto mais fresco o sangue, mais saudável seria.

sangue

Felizmente para nós, essa crença na “medicina cadáver” morreu juntamente com o excesso de oferta de múmias do Egito.

medicamentos

Agora aquele xarope ruim para tosse não soa tão ruim assim 😉

Deixe seu Comentário:

comentários